NOSSODIA Online
NOSSODIA Publicidade
Londrina, 27 de Maio de 2018
nossodiaadia

SAÚDE PÚBLICA - Santa Casa vai dobrar número de cirurgias bariátricas

Hospital realiza 30 gastroplastias redutoras por mês pelo SUS e objetivo é chegar a 60

10/05/2018

Anderson CoelhoAproximadamente 80 pacientes se reuniram para tirar dúvidas antes do procedimento


Referência na realização de cirurgias bariátricas no Paraná, a Santa Casa de Londrina vai dobrar o número de procedimentos pelo SUS (Sistema Único de Saúde) até o final de 2018. Atualmente, o hospital realiza de 25 a 30 gastroplastias redutoras por mês. O objetivo é que chegue a 60, diminuindo o tempo de espera de até um ano e meio para no máximo 12 meses. Quatrocentos e cinquenta pacientes estão em atendimento no hospital para passar pelo procedimento em maio. Na tarde desta quarta-feira (9), cerca de 80 candidatos à cirurgia se reuniram para tirar dúvidas antes do procedimento. O objetivo foi esclarecer os pacientes para que a cirurgia ocorra com maior segurança e alcance os melhores resultados possíveis.
Este acréscimo de cirurgias será possível graças à recente inauguração do ambulatório do SUS da Santa Casa e o envolvimento de mais profissionais na equipe multidisciplinar que cuida de todo o processo cirúrgico, que começou a ser realizado no hospital em 2010. Neste período foram quase 2 mil operações, todas feitas pelo médico cirurgião Milton Ogawa, responsável técnico do Serviço de Bariátrica da Santa Casa. O grupo é formado por profissionais de diversas áreas.
A partir de agora, pelo menos mais dois médicos cirúrgicos vão colaborar nesta equipe. "Em 2017 resolvemos mudar algumas questões, nos espelhando em outras ações bem-sucedidas pelo Brasil. Entre elas está o atendimento em massa, que é muito positivo e visa a atenção ao paciente obeso por completo. Nele, o paciente tem atividade com psicólogo, nutricionista, educador físico, fisioterapeuta. É um atendimento mais intenso", explica Ogawa. "Junta-se a isso a equipe da Santa Casa, que conta com uma residência médica multidisciplinar", acrescenta. (Pedro Marconi/Grupo Folha)

ENCAMINHAMENTOS
Toda a metodologia segue o que preconiza o Ministério da Saúde, que há aproximadamente oito anos autorizou o tratamento cirúrgico da obesidade mórbida para a população em geral por meio do sistema público de saúde. "A obesidade é uma doença que vem atingido cada vez mais a população do mundo inteiro. Antigamente, somente as pessoas com convênio tinham acesso ao tratamento com cirurgia, que é o indicado", destaca. De acordo com o MS, a prevalência da doença na população brasileira passou de 11,8%, em 2006, para 18,9%, em 2016.
Todo mês, em média, 60 novos casos chegam ao ambulatório para a primeira consulta. Eles são encaminhados pela 17ª Regional de Saúde, que recebe os pacientes das Unidades Básicas de Saúde de Londrina e outros municípios do interior do Estado. Na regional existe uma listagem entre os casos mais urgentes e os obesos em geral. Ao serem direcionados ao hospital, eles passam por todo o processo pré-operatório e de avaliações, que inclui consultas com endocrinologista, ultrassonografia, psicólogo, nutricionista e exames de sangue, entre outros processos. (P.M.)

PROBLEMAS
De acordo com o médico Milton Ogawa, o Brasil é o segundo local do mundo com mais obesos. "A obesidade acarreta uma série de problemas para todos os órgãos e regiões do corpo. No cardíaco, a pessoa tem mais pressão alta, risco de infarto, insuficiência cardíaca; tem problemas circulatórios; tem mais problemas ortopédicos, como dores na coluna e joelho; mais problemas de vesícula, estômago e derrame", elenca.
O método de redução realizado na Santa Casa é de cirurgia aberta, que é o promovido pelo MS, que paga cerca de R$ 4 mil por paciente e por todo o processo que envolve a operação. "Existem duas maneiras de operar. A laparoscopia, praticada no serviço privado, e a cirurgia aberta, em que é feita a diminuição da área de entrada de alimentação e de absorção daquilo que come. Na prática, porém, faz a mesma coisa, que é redução do estômago", aponta. A pessoa que faz gastroplastia redutora perde, em média, 35% a 40% do peso, desde que siga todos as orientações. (P.M.)

Pré e pós-operatório
Muitas dúvidas dos pacientes que querem se submeter a uma cirurgia bariátrica se referem aos procedimentos pré-operatórios. A enfermeira do ambulatório da Santa Casa, Érica Moraes dos Santos Eccard, chama atenção para a importância do preparo para fazer o procedimento. "Às vezes o paciente não tem condições financeiras de comprar o que precisa e falamos isso antes para ir se organizando. É preciso comprar uma cinta cirúrgica; tem que adquirir medicamentos e depois da cirurgia ele deve adquirir suplementos."
Ela orienta também sobre medicações e a obrigatoriedade do jejum. "Explicamos o que pode comer um dia antes da cirurgia, porque antes de passar pela redução do estômago muitos querem comer tudo o que podem e isso é proibido", alerta. Durante o período que antecede a cirurgia, os pacientes têm acompanhamento constante, em grupo, com nutricionista. Dependendo do caso, o atendimento pode ser mais individualizado. A intenção é iniciar a pessoa no processo de reeducação alimentar. Segundo Daniela Samiec, nutricionista que atende no laboratório do SUS da Santa Casa, é passada uma dieta pré-cirúrgica. Depois da redução de estômago, a orientação continua e focada em uma reabilitação repleta de nutrientes e que deve ser seguida com seriedade.
A primeira consulta pós-cirurgia acontece 21 dias depois da operação e vai aumentando o tempo até receber alta médica. Em situações específicas, o acompanhamento precisa ser mantido. (P.M.)